Pesquisar neste blogue

sexta-feira, 25 de abril de 2014

Leandro, Rei da Helíria

Teste- Cena I

http://textosintegrais.blogspot.pt/2012/06/teste-de-7-ano-texto-dramatico-com.html


Teste- Cena I (Retirado de Mestre Finezas)

Grupo I                                   Texto

O SONHO
Rei Leandro, Bobo
(No Jardim do palácio real de Helíria. Rei Leandro passeia com o bobo)

REI: Estranho sonho tive esta noite... Muito estranho...

BOBO: Para isso mesmo se fizeram as noites, meu senhor! Para pensarmos coisas acertadas, temos os dias - e olhe que bem compridos são!

REI: Não sabes o que dizes, bobo! São as noites, as noites é que nunca mais têm fim!

Bobo: Ai, senhor, as coisas que não sabe...

REI: Estás a chamar-me ignorante?

BOBO: Estou! Claro que estou! Como é possível que não saiba como são grandes os dias dos pobres, e como são rápidas as suas noites... Às vezes estou a dormir, parece que mal acabei de fechar os olhos - e já tocam os sinos para me levantar. A partir daí é uma dança maluca, escada acima escada abaixo: é você que me chama para lhe alegrar o pequeno-almoço; é Hortênsia que me chama, porque acordou com vontade de chorar; é Amarílis que me chama, porque não sabe se há-de rir se há-de chorar -, e eu a correr de um lado para o outro, todo o santo dia, sempre a suspirar para que chegue a noite, sempre a suspirar para que se esqueçam de mim, por um minutinho que seja!, mas o dia é enorme, enorme!, o dia nunca mais acaba, e é então que eu penso que, se os reis soubessem destas coisas, deviam fazer um decreto qualquer que desse aos pobres como eu duas ou três horas a mais para...

REI (interrompendo): Cala-te! (...)
BOBO: O que foi que logo de manhã o pôs assim tão zangado com a vida? (...)

REI (Suspira): Ah, aquele sonho! Coisa estranha e esquista aquele sonho...

BOBO: Ora, meu senhor! E o que é um sonho? Sonhou; está sonhado. Não adianta ficar a remoer.

REI: Abre bem esses ouvidos para aquilo que te vou dizer!

BOBO: (com as mãos nas orelhas): Mais abertos não consigo! 

REI: Os sonhos são recados dos deuses.

BOBO: E para que precisam os deuses de mandar recados? Estão lá tão longe...

REI: Por isso mesmo. Porque estão longe. Tão longe, que às vezes nos esquecemos que eles existem. É então que nos mandam recados. Mas os recados são difíceis de entender. Acordamos, queremos recordar tudo, e muitas vezes não conseguimos.

BOBO (aparte): É o que faz ser deus... Eu cá, quando quero mandar recado, é uma limpeza: "Ó Brites, guarda-me aí o melhor naco de toucinho para a ceia!" (Ri) Não preciso de mandar os meus recados pelos sonhos de ninguém!

REI: Que estás tu para aí a resmonear?

BOBO: Nada, senhor! Reflectia apenas nas suas palavras.

REI: E bom é que nelas reflictas. Apesar de bobo, quem sabe se um dia não irão os deuses lembrar-se de mandar algum recado pelos teus sonhos... (Pára, de repente. Fica por momentos a olhar para o bobo, e depois pergunta, com ar muito intrigado) Ouve lá, tu também sonhas?

(Aqui a cena fica suspensa, e a luz centra-se apenas no bobo, que fala para os espectadores na plateia)

BOBO: Será que eu sonho? Será que eu choro? Será que é sangue igual ao deles o que me escorre das costas quando apanho chibatadas por alguma inconveniência que disse? Que sabem eles de mim? Nem sequer o meu nome eles conhecem. Pensam que já nasci assim, coberto de farrapos, e que "bobo" foi o nome que me deu minha mãe. (Pausa) Se é que eles sabem que eu tenho mãe, e pai, e que nasci igualzinho ao rei, ao conselheiro, a todos os nobres deste e doutros reinos: E quando um dia morrermos e formos para debaixo da terra, tão morto estarei eu como qualquer um deles.

VIEIRA, Alice, Leandro, Rei da Helíria, 3." ed., Ed. Caminho, 1991 (texto com supressões)
1. Caracteriza o estado de espírito do rei, tendo em conta o seu comportamento ao longo do excerto. Justifica a tua resposta.





2. Como caracteriza a relação existente entre o bobo e o rei? Justifica a tua resposta.





3. “…como são grandes os dias dos pobres, e como são rápidas as suas noites...”
3.1. Explica o sentido desta afirmação, que foi proferida pelo Bobo.





3.2. Descreve, por palavras suas, a vida do Bobo.





4. “Rei: Os sonhos são recados dos deuses.”
4.1. Qual a explicação que o rei apresenta para esta definição?





4.2. De que forma reage o Bobo à explicação do rei e por que razão?




5. Atenta na última fala do Bobo.
5.1. Identifica e explica, por palavras tuas, as críticas que o Bobo faz nesta fala.







5.2. “E quando um dia morrermos e formos para debaixo da terra, tão morto estarei eu como qualquer um deles.”
5.2.1.Identifica figura de estilo presente na expressão, justificando o seu valor expressivo.





6. Atenta nas características do texto dramático.
6.1. Faz corresponder (ligando) a cada excerto textual da coluna A o conceito dramático apresentado na coluna B (Atenção: cada conceito só pode ter uma correspondência textual).
 












6.2.  Quantos actos e quantas cenas tem o texto dramático apresentado? Justifica a tua resposta.



Grupo II
9. “…é Amarílis que me chama, (…) e eu a correr de um lado para o outro, todo o santo dia, (...) para que se esqueçam de mim (...) se os reis soubessem destas coisas..”
9.1. Identifica e classifica as palavras sublinhadas.
















10. Atenta nas seguintes frases complexas.
a) “Acordamos, queremos recordar tudo e muitas vezes não conseguimos.”
b) Os deuses mandam recados, porque estão longe.
c) Quando quero mandar recado, eu chamo o Brites.
d)Se for rei, eu mandarei fazer um decreto pelos pobres.
e) Ele é bobo, mas nasceu igualzinho ao rei
10.1. Identifica e classifica as orações que compõem cada frase complexa.

















11. Atenta nas seguintes frases.
A) Os reis farão um decreto, naturalmente.
B) Bobo, abre bem esses ouvidos.
C) Tive um estranho sonho esta noite.
D) O rei e o bobo são iguais.
E) Iremos para debaixo da terra, infelizmente.

11.1. Indica as funções sintáticas de cada frase.

























11.2. forma passiva à frase da alínea a).


11.3. Coloca a frase da alínea d) no Pretérito Perfeito do Indicativo.


12. “REI: Estás a chamar-me ignorante?”
12.1. Coloca a frase no discurso indireto.



14. Imagina que és o dramaturgo responsável por continuar o texto dramático do Rei e do Bobo. Elabora  a  continuação desse texto dramático (150 – 200 palavras), de forma clara, correcta e concisa, no qual o rei conte o seu sonho ao Bobo.
Aspectos a ter em conta:

·                     Deve ter um acto e duas cenas.
·                     Deve entrar, pelo menos, mais uma personagem.
·                     Deve ter, pelo menos, quatro didascálias.
·                     Ao longo do texto devem ser usados recursos expressivos, pelo menos, uma personificação, uma dupla adjectivação e uma comparação.







Teste- Cena IV

http://testesdeportugues.blogspot.pt/2008/12/leandro-rei-da-helria.html

quinta-feira, 24 de abril de 2014

Comparative and Superlative Adjectives

Normal
Comparative
Superlative
Fat
Fatter than
The fattest
Hot
Hotter than
The hottest
Big
Bigger than
The biggest
Sad
Sadder than
The saddest
Wet
Wetter than
The wettest
Slim
Slimmer than
The slimmest
Thin
Thinner than
The thinnest
Happy
Happier than
The happiest
Sunny
Sunnier than
The sunniest
Funny
Funnier than
The funniest
Good
Better than
The best
Bad
Worse than
The worst
Tall
Taller than
The tallest
Short
Shorter than
The shortest
High
Higher than
The highest
Low
Lower than
The lowest
Large
Larger than
The largest
Old
Older than
The oldest
Young
Younger than
The youngest
Small
Smaller than
The smallest
Kind
Kinder than
The kindest
Beautiful
More beautiful  than
The most beautiful
Comfortable
More comfortable than
The most comfortable
Interesting
More interesting than
The most interesting
Modern
More modern than
The most modern