Pesquisar neste blogue

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Exercícios preparação 1.º Teste_1.º Período

Replace the personal pronouns by possessive adjectives:

  1. Where is (I)  book?
  2. Here is (we)  teacher.
  3. She goes to school with (she)  brother.
  4. (They)  father works in a car factory.
  5. (You)  laptop is very expensive.
  6. (He)  favorite hobby is tennis.
  7. (I)  husband and I want to go to Paris.
  8. We want to see (it)  historical monuments.
  9. Leila likes (she)  dog !
  10. (It)  name is Bobby.

Personal Pronoums:

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Sistema digestivo de outros animais e Sistema Respiratório



Sistema digestivo de outros animais

Diferença entre herbívoros e carnívoros

Os herbívoros têm um estômago mais volumoso e mais comprido do que os carnívoros porque comem alimentos de origem vegetal que necessitam de uma digestão mais demorada.

Sistema digestivo dos ruminantes

O animais ruminantes têm um estômago composto, dividido em 4 compartimentos:
  • pança ou bandulho
  • barrete
  • folhoso
  • coalheira

 Trajeto dos alimentos no estômago dos animais ruminantes:
  1. Os alimentos são engolidos sem serem mastigados e vão para a pança. Os líquidos vão diretamente para o folhoso. (Boca → Esófago → Pança)
  2. Já em descanso, os alimentos vão para o barrete e voltam para a boca para serem mastigados. (Pança → Barrete → Esófago → Boca)
  3. Quando voltam para o estômago os alimentos vão para o folhoso e depois para a coalheira onde sofrem a ação do suco gástrico. (Boca → Folhoso → Coalheira)
  4. Finalmente os alimentos saem do estômago para o intestino para completar a digestão e para os nutrientes serem absorvidos. (Coalheira  → Intestino)

Sistema digestivo das aves granívoras

As aves granívoras alimentam-se de grãos. Para amolecer os grãos estas aves possuem uma dilatação no esófago chamada papo.
As aves granívoras possuem também um estômago composto, divido em 2 compartimentos:
  • proventrículo – com paredes finas.
  • moela – com paredes grossas e musculosas onde os alimentos são triturados com a ajuda de grãos de areia que as aves engolem.

As aves carnívoras possuem uma moela com paredes mais finas e algumas têm um estômago apenas com um compartimento porque ingerem alimentos de digestão mais fácil.

http://www.obichinhodosaber.com/2012/01/21/ciencias-da-natureza-6o-circulacao-do-ar/

http://www.portefolionaturas.net/9.ppt.s.respiratorio.pdf

http://www.agrup-eb23-amarante.rcts.pt/documentos/testes/test_cn_6ano_sist_respiratorio_ahm.pdf

http://www.scribd.com/doc/8700358/Ficha-de-Avaliacao-de-Ciencias-da-Natureza-do-6-Ano-Sistema-Respiratorio

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Texto Narrativo – A Aia

Ficha Formativa sobre o conto "A Aia"
Lê com atenção o excerto do conto "A Aia", de Eça de Queirós.

No entanto, um grande temor enchia o palácio, onde agora reinava uma mulher entre mulheres. O bastardo, o homem de rapina, que errava no cimo das serras, descera à planície com a sua horda, e já através de casais e aldeias felizes ia deixando um sulco de matança e ruínas. As portas da cidade tinham sido seguras com cadeias mais fortes. Nas atalaias ardiam lumes mais altos. Mas à defesa faltava disciplina viril. Uma roca não governa como uma espada. Toda a nobreza fiel perecera na grande batalha. E a rainha desventurosa apenas sabia correr a cada instante ao berço do seu filhinho e chorar sobre ele a sua fraqueza de viúva. Só a ama leal parecia segura, como se os braços em que estreitava o seu príncipe fossem muralhas de uma cidadela que nenhuma audácia pode transpor.
Ora uma noite, noite de silêncio e de escuridão, indo ela a adormecer, já despida, no seu catre, entre os seus dois meninos, adivinhou, mais que sentiu, um curto rumor de ferro e de briga, longe, à entrada dos vergéis reais. Embrulhada à pressa num pano, atirando os cabelos para trás, escutou ansiosamente. Na terra areada, entre os jasmineiros, corriam passos pesados e rudes. Depois houve um gemido, um corpo tombando molemente, sobre lajes, como um fardo. Descerrou violentamente a cortina. E além, ao fundo da galeria, avistou homens, um clarão de lanternas, brilhos de armas...

Eça de Queirós, «A Aia», in Contos


1. Localiza o excerto no conto.
2. Apresenta o assunto do texto.
3. Recorrendo ao manual, indica a acção que sucede ao texto transcrito.
3.1. Justifica a importância da mesma acção.
3.2. Indica o que provocou toda esta situação.
4. Refere os modos de representação do discurso presentes no texto, justificando a tua resposta.
(Em caso de dúvida, consulta a página 218 do manual.)
5. Identifica a referência temporal presente no excerto.
5.1. Indica outras acções importantes no conto que tenham a mesma referência temporal.
6. Apresenta os informantes espaciais existentes no excerto e conclui acerca deles.
7. Explica, por palavras tuas, o sentido da frase: «Uma roca não governa como uma espada.»
8. «Depois houve um gemido, um corpo tombando molemente,sobre as lajes como um fardo.»
8.1. Transforma o seguinte excerto numa oração subordinada temporal: «Depois houve um gemido [...]».
8.2. Analisa sintacticamente a oração transcrita em 8.1.
8.3. Identifica a subclasse do verbo (transitivo/intransitivo).
8.4. Classifica morfologicamente as palavras a negrito.
9. Retira do texto exemplos de três figuras de estilo.

SOLUÇÕES
1. Este excerto situa-se no desenvolvimento, parte da acção em que são narradas as peripécias.
2. No primeiro parágrafo, o narrador realça o medo que reinava no palácio, não só por ser governado por uma mulher, mas também pela ameaça do tio bastardo; no segundo, destaca o pressentimento de que algo de grave ia acontecer.
3. Temendo pela vida do pequeno príncipe, a aia trocou as crianças, colocando o príncipe no berço de verga e o seu filho no berço de marfim.
3.1. Ao expor o seu filho à morte, a ama salva o pequeno príncipe e, consequentemente, o seu reino.
3.2. Esta situação foi desencadeada pelo tio bastardo, que, levado pela ganância e crueldade, atacou o palácio.
4. No primeiro parágrafo, predomina a descrição, uma vez que a maioria dos verbos se encontram no pretérito imperfeito («enchia», «reinava», «ardiam», «faltava»), avançando a história mais lentamente. No segundo parágrafo, a dinâmica da narrativa altera-se pela sucessão rápida de acontecimentos, bem patente na utilização abundante de verbos no pretérito perfeito («adivinhou», «sentiu», «escutou», «houve», «descerrou», «avistou»).
5. A referência temporal está presente no início do segundo parágrafo — «uma noite».
5.1. Os acontecimentos mais relevantes decorrem durante a noite, nomeadamente a partida do rei e o nascimento das duas crianças.
6. No texto, estabelece-se uma clara oposição entre o palácio — espaço interior onde se concentra a acção e que está agora à mercê do irmão do rei — e o exterior, dominado pela horda que descera das serras — local alto e de vigia — para atacar as populações que viviam na planície.
7. A roca está associada ao trabalho feminino, simbolizando, neste contexto, a mulher que agora governava o reino, isto é, a rainha. A espada, por seu turno, é um símbolo da bravura e da virilidade, representando o rei que morrera. Através desta comparação, o narrador pretende dizer-nos que a rainha não possuía as mesmas capacidades governativas que o seu esposo, nomeadamente num momento crítico como aquele que então se vivia no palácio, uma vez que o irmão bastardo do rei se preparava para o atacar.
8.
8.1. Quando/Logo que/Assim que houve um gemido…
8.2. «Depois» — complemento circunstancial de tempo.
«houve um gemido» — predicado (verbal).
«um gemido» — complemento directo.
Nota: o sujeito é inexistente, uma vez que o verbo «haver» tem o sentido de «existir».
8.3. O verbo é transitivo directo.
8.4. «tombando» — verbo «tombar» no gerúndio (forma nominal); «molemente» — advérbio de modo; «sobre» — preposição simples; «as» — determinante artigo definido, feminino do plural.
9. Enumeração — «E além, ao fundo da galeria, avistou homens,um clarão de lanternasbrilhos de armas […]; dupla adjectivação — «[…] corriam passos pesados e rudes […]; comparação — «Uma roca não governa como uma espada.»


Fonte: http://letrongas.blogspot.pt/




Mais e:  http://mestrefinezas2010.wordpress.com/9-%C2%BA-ano/

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Preparação 2.ºteste_1.º período


1. Crise e Queda da monarquia (1890-1910)
  • 1890 Ultimato Inglês: onda de nacionalismo e patriotismo habilmente aproveitado pelo partido republicano, o prestigio da monarquia é abalado.
  • 31 de Janeiro de 1891: tentativa de revolução republicana no Porto
  • Década de 1890: grave crise económica e financeira.
  • Partido republicano ganha adeptos: fruto da propaganda que defendia o fim da monarquia.
  • 1 de Fevereiro de 1908 dá-se o Regicídio, o rei D. Carlos é assassinado em Lisboa. 
  • 5 de Outubro de 1910: uma revolução derrubou a Monarquia e implantou um novo regime aRepublica. 
2. A 1ª Republica 
  • Governo provisório (Teófilo Braga): dirige o país até estar pronta a nova Constituição e haver eleições. 
  • A Constituição de 1911 estabeleceu um regime parlamentar
    • Poder executivo: Presidente de República e Governo
    • Poder legislativo: Congresso da República (Câmara dos deputados e Senado, equivalente aquilo que hoje chamamos de Assembleia da República). O poder legislativo sobrepunha-se ao executivo, o que obrigava a que os governos precisassem do apoio de uma maioria para governar. 
    • Poder Judicial: Tribunais 
2.1 A Principais Realizações 
  • Novos simbolos
    • Bandeira
    • hino - A Portuguesa
    • Moeda - Escudo
  • Na economia
    • Agricultura: mecanização + adubos = pequeno aumento da produção 
    • Industria: melhorias e aumento de produção nos têxteis, conservas, moagem, metalurgia, cortiça, tabacos, química, e cimentos - destinava-se ao mercado interno. 
    • Comércio: algumas melhorias nos meios de transporte, a balança comercial continuou a ser deficitária e moeda desvalorizou. 
  • A nível social
    • Lei da separação do Estado da Igreja: Num país extremamente católico foi uma medida anticlerical que não ajudou a republica a impor-se
    • Registo civil obrigatório
    • Lei do divórcio 
    • leis laborais: direito à greve, redução do horário de trabalho, descanso semanal, subsídios de doença, acidentes e velhice (medidas que não foram cumpridas pelos industriais o que levou à greve. à revolta dos trabalhadores e ao aumento da emigração para o brasil). 
    • aposta na educação: 
      • obrigatoriedade e gratuicidade do ensino até aos 10 anos; 
      • novas escolas primárias e jardins-escola
      • ensino técnico; 
      • novas Universidades em Lisboa e no Porto... 
      • formação de professores
      • A taxa de analfabetismo desceu ligeiramente, mas ainda continuou demasiado alta. 
    • Na Cultura: novos museus, bibliotecas, conferências, concertos, etc. 2.2 As dificuldades da 1ª república.
2.2 As dificuldades da 1ª república.
  • Instabilidade Política 
    • 45 governos em 16 anos 
    • divergências no partido republicano
    • conspirações armadas
    • golpes de Estado
    • guerras civis
  • Participação de Portugal na 1ª Guerra Mundial
  • Agravamento da situação económico-financeira
    • aumento da inflação
    • aumentos dos impostos
    • diminuição do poder de compra
    • falta de bens essenciais 
  • Agitação social
    • desemprego
    • greves
    • insegurança pública (atentados bombistas)
2.3 Ditadura Militar (1926-1933)
  • Implantada no golpe militar de Gomes da Costa 
    • dissolução do parlamento
    • estabelecimento da censura
    • controlo das finanças por Oliveira Salazar (futuro presidente do conselho de ministros e líder do Estado Novo a ditadura que governou Portugal entre 1933 e 1974)
3. Época de Mudança na Sociedade
  • Belle Époque
    • preponderância da alta burguesia:
      • frequentava espectáculos de ópera, teatro, cafés concertos
      • convivia nos jardins públicos, termas e praias
      • assistia a partidas de ténis e a concursos hípicos 
      • com mentalidade tradicional e conservadora
    • as classes médias passaram a ter um peso mais importante na sociedade
      • influenciam a opinião pública 
    • operariado com melhores condições de vida e trabalho graças ao sindicalismo
      • diminuição das desigualdades sociais 
      • aproximação dos níveis de vida
      • acesso fácil aos bens de consumo (para as classes médias e operariado)
  • Loucos anos 20
    • emancipação da mulher
    • modificação na moda
    • intensa vida de lazer
  • Cultura de Massas
    • imprensa (BD, Jornais, Revistas...)
    • cinema
    • rádio
    • novos ritmos musicais (Cherleston, Foxtrot, Jazz)
    • desporto (futebol, atletismo, ciclismo, automobilismo, boxe...)
  • Revolução nas ciências físicas e nas ciências humanas e sociais 
    • física e física nuclear
    • astrofísica
    • biologia
    • bacteriologia
    • bioquímica
    • sociologia
    • psicologia
    • história... 
FONTE:http://tempodehystoria.blogspot.pt/2011/12/revisoes-para-o-2-teste-9ano.html

Mais resumos em: http://nehistemf5.com.sapo.pt/FApoio_1republica.pdf;
http://nehistemf6.com.sapo.pt/FApoio_1republica2.pdfhttp://nehistemf6.com.sapo.pt/A_Liberdade.pdfhttp://nehistemf.com.sapo.pt/docs9/17_anos20.pdf

Exercícios de aplicação:
http://www.prof2000.pt/users/mjosemir/ccdi/Hotpot_9/Tema-I-2/Texto/A_crisedamonarquia.htm
http://www.prof2000.pt/users/mjosemir/ccdi/Hotpot_9/Tema-I-2/Texto/B_RepublicaPortuguesa.htm
http://www.prof2000.pt/users/mjosemir/ccdi/Hotpot_9/Tema-I-2/Texto/C_Sintese_republica.htm
http://www.prof2000.pt/users/mjosemir/ccdi/Hotpot_9/TemaI-3/Anos20.htm
http://www.prof2000.pt/users/mjosemir/ccdi/Hotpot_9/TemaI-3/Conceitos.htm
http://www.prof2000.pt/users/mjosemir/ccdi/Hotpot_9/TemaI-3/3_Personalidades.htm
-

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Grupos frásicos

Identificação de grupos frásicos

a) O Tó ficava sozinho em casa.
O Tó- GN
ficava sozinho em casa- GV
sozinho- GAdj
em casa- GPrep.

b) A Ana deu-lhe um beijo quentinho, de manhã
A Ana- GN
deu-lhe um beijo quentinho, de manhã- GV
quentinho-GAdj
de manhã- GPrep.

c) Anoitece rapidamente.
Anoitce rapidamente- GV
rapidamente- GAdv.


segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Gerúndio, particípio passado e infinitivo pessoal

- O gerúndio (terminação -ndo) é geralmente usado para descrever uma ação contínua, isto é, que está a decorrer.
Ex.: Viajando no escuro, chegaram ao destino.

- O particípio passado (terminação em -ado e -ido) é usado na formação dos tempos compostos com os auxiliares ter e haver. Também entra na formação da passiva com o auxiliar "ser".
Exs.: A aventura tinha acabado.
        Os cincos foram sugados.

- O infinitivo pessoal tem um sujeito e, por isso, pode ser flexionado.
Ex: Depois de caírem, os amigos procuravam uma saída.

Fonte: Manual do 6.º ano "Porta-viagens".